Aquelas férias que a gente ‘trabalha’ o lado interno – Minha experiência na Montanha de Condor Blanco

Fui viajar, e para as pessoas, dizer exatamente o que iria fazer nesta viagem é desafiante. Porque não tem apenas uma palavra que represente tudo que se faz em uma viagem como essa. Não é um turismo tradicional, não entra nas características de um retiro, enfim… não importa o rótulo e por isso, nas próximas linhas compartilho um pouco do que vivi por meio dos aprendizados, até o momento.

Esta foi a terceira vez que fui para a Montanha, e desta vez para ficar duas semanas. Na primeira para apoiar em alguma área da Organização Condor Blanco e na segunda para a escola Coaching Express.

Hoje, dia 31 de Janeiro de 2018, na véspera de voltar ao Brasil, tenho a sensação que foram que foram vividos 10 anos em 14 dias lá na reserva ecológica.

Viver em um ambiente cercado de natureza, com pessoas que normalmente não convivo e tampouco conheço é uma excelente oportunidade de crescer, progredir e evoluir. Pois são nas relações que lapidamos a nós mesmas, que conhecemos mais de nós. Seja por meio das confrontações ou das situações que se manifestam. Nem tudo o que é planejado acontece mas tudo aquilo que se deseja do coração, esse sim se manifesta.

Estar em um lugar de busca e crescimento requer coragem, força, sutileza e compaixão.

Aprendi muito sobre mim, e por isso, sinto que aprendi sobre o mundo. Estou tendo a oportunidade de mudar dentro de mim e assim, acredito, poder mudar o mundo. E não importa se mudar o mundo possa levar 1 ano, 10 anos, 100 ou 1000 anos. Acredito na intenção e na revolução silenciosa que está alinhada com aquilo que vim fazer nesse mundo.

Acredito que não nascemos aqui para simplesmente passear, trabalhar, ganhar dinheiro, pagar as contas, viajar para alguns lugares lindos, interessantes, casar, ter filhos e formar uma família, etc. E sim, para ser genuinamente FELIZ. O lance é ‘como?’. E esse como vai ser desmembrado conforme vai se vivendo. Aprendi, e estou buscando colocar em prática a confiança em Deus, no Universo, na Natureza e que tudo tem uma história, um trajeto. Ao confiar no desconhecido, naquilo que dá frio na barriga e naquilo que mais quero para minha vida.

Vou listar meus aprendizados, não sei quantos serão, esse texto está nascendo com cada palavra que sai da comunhão do meu coração, mente e instinto.

Vamos lá:

Aprendi que viajar sozinha é uma viagem que não estamos de fato sozinhas;

Aprendi a me entregar para as experiências;

A sair do controle;

A manter a congruência com o que acredito;

A levar o amor, entregar um sorriso e um abraço;

Aprendi que no meio de um bosque existe uma paz, calor, acolhimento e superação; principalmente que ali – no meio onde não se tem gente, é que estamos na melhor cia;

Aprendi a viver com menos;

Aprendi a me sujar de terra;

Aprendi a me desapegar de uma ‘beleza externa’ para conectar com a beleza interna;

Aprendi que tudo se encaixa de uma maneira perfeita quando a gente confia e desapega;

Aprendi a sentir e ser guiada por isso ao invés de seguir a mente racional e controladora, seguir os sinais;

Aprendi que posso gerar uma energia incrível nos meus corpos;

Aprendi que posso manter o meu centro, independente de quais sejam as vozes do mundo exterior;

Aprendi a me entregar;

Aprendi a pedir ajuda;

Aprendi e revelar minhas vulnerabilidades e assumi-lás;

Aprendi a chorar com pessoas ‘desconhecidas’ e sentir o mais profundo amor com elas;

Aprendi que posso fazer uma trilha íngreme, fazer força e ajudar outras pessoas sem precisar tomar café da manhã;

Aprendi que a força de viver está conectada ao sonhos;

Aprendi que sou muito maior do que penso ser;

Aprendi que amar existem inúmeras formas;

Aprendi que decidir é tão importante que o querer;

Aprendi que tenho muito para aprender;

Aprendi que ter uma intenção matinal direciona tudo o que acontece no dia;

Aprendi que nem toda confrontação é necessário levar para dentro porque não é minha;

Aprendi que o compromisso é uma chave de conexão e confiança;

Aprendi o poder da palavra em um nível muito profundo e sútil;

Aprendi que ser livre é se encontrar;

Aprendi que se encontrar é o caminho para se curar;

Aprendi que não existe distância;

Aprendi que saudade aperta o coração só que é boa porque mostra o caminho ‘de casa’;

Aprendi o que é abrir o coração;

Aprendi a me curar;

Aprendi que meu caminho é minha escolha, que minha escolha faz o caminho;

Aprendi que tenho sorte na vida;

Aprendi que não preciso sofrer para vencer;

Aprendi que ser autêntica é uma ato de coragem;

Aprendi que ser vulnerável é o início da cura;

Aprendi que nenhum dia vai ser igual ao outro, mesmo que tenha uma rotina, o mesmo lugar para dormir, as mesmas pessoas a volta.. tudo muda a cada instante;

Aprendi que posso fazer tudo, só que só preciso focar no próximo passo;

Aprendi que sou filha de Deus perfeita e que vim brilhar, assim como você, que está lendo esse texto;

Aprendi a tomar banho gelado no rio de 7 graus;

Aprendi que por mais que eu acredite que a vida seja ‘fácil’ existe a nossa parte, que é o esforço e dedicação para vencer nossa zona de conforto;

Aprendi que mesmo quando tudo não parece estar certo, está certo. Não é porque que não estou vivendo o que queria, estou vivendo algo que em algum momento eu acreditei e por isso se manifestou.

Acredito que cada pessoa tem seu processo e o comportamento dela em relação a mim, não é pessoal, e se for, isso não é da minha conta. Mas se me tocar, daí sim é meu e resolvo comigo mesma;

Aprendi que existem um milhão de interpretações sobre a mesma situação, e fico com aquilo que faz sentido pra mim naquele momento;

Aprendi que o ego é bem danadinho e silencioso;

Aprendi a me conter nas situações e assim sentir as emoções de uma forma mais intensa e profunda;

Aprendi a reconhecer qual é a energia que emito;

Aprendi a valorizar minhas qualidades;

Aprendi que tenho uma liderança amorosa;

Aprendi o porque não tinha paixão pelo que fazia mas era necessário para encontrar onde verdadeiro o prazer e paixão.

E, assim são são meus aprendizados sobre uma experiência que propus a viver. Se, de alguma forma ajudar você, ficarei feliz. Se não, também ficarei feliz.

A gente só sente quando faz. Fazer é falar, ter atitude, manifestar aquilo que está dentro.

Não podemos esperar o trem passar para embarcar, temos que querer embarcar e criar nosso trem da vida. Pois todas nós queremos Ser felizes, ou seja, temos a direção. Só que a estrada e forma como é conduzida, é criada por nós mesmas. O poder de criar está no agora!!

Que cada instante da minha vida seja uma experiência incrível. Que eu possa sentir o sabor de viver em cada coisinha que se manifesta na vida.

Que eu possa viver meus SONHOS e assim ajudar milhares de mulheres a brilharem por meio da sua cura, despertar do feminino, da autoconfiança e tranquilidade interna – mesmo quando estamos como um vulcão interno.

Gratidão!
Com todo meu amor e entrega, Juliana de Souza Nunes Sherilan

 

 

“Inspirando homens e mulheres a fazerem o que amam todos os dias.” Quer saber como o coaching pode lhe ajudar? Me envie um e-mail juliananunes@dreamcoaching.com.br

Leave Your Comment